´╗┐

Histˇrico

Década de 20

 

O ano era 1924, e o caixeiro-viajante Luiz Andrade queria diminuir suas viagens e dedicar-se a um negócio que o deixasse mais na cidade. Assim, no dia 07 de outubro, uma terça-feira, abria suas portas na Rua Silva jardim, nº 1876, uma modesta loja. Não tinha nome, apenas uma inscrição acima da porta: “Calçados”. Quem chegasse não encontraria o proprietário, mas um jovem de 15 anos, Salvador Isaia, que a convite de Luiz Andrade prestaria atendimento aos fregueses.

O primeiro cliente da loja foi o Sr. Etelvino Cardoso, que comprou um par de alpargatas. Um fato curioso é que o segundo dia de funcionamento da loja não registrou vendas, e no terceiro dia a única venda realizada teve que ser devolvida, pois o dinheiro usado para comprar um par de botinas era roubado. 

Em 1925, José Isaia (pai de Salvador) aconselhou Luiz Andrade a transferir a loja para a esquina das ruas Silva Jardim e Avenida Rio Branco, onde José possuía uma residência. A mudança ocorreu em 02 de julho, ganhando a loja um bom espaço e duas vitrines.

Em 1926 a loja ganha uma seção de calçados para senhoras, sapato de tênis, chinelos e bambochas.

Já era 1927, e a loja ainda não tinha nome, muitos aconselhavam Luiz Andrade a corrigir esta falha. Foi então que a loja começou a adquirir calçados do fabricante Propício Cunha Fontoura, que lhe sugeriu usar o nome “Eny”, uma marca de calçados para senhoras que ele fabricava. Salvador gostava do nome “Casa Andrade”, mas Luiz Andrade não concordava em ter seu nome na fachada da loja. Ele acabou concordando com Propício, passando a loja a se chamar “Casa Eny”.

Década de 30

 

A partir de 1930 a Casa Eny passou a vender as grandes marcas de calçados fabricados no país. Nesse momento, Salvador começou a solicitar aos fabricantes pequenas modificações na modelagem, essas mudanças condiziam com o gosto dos consumidores locais, o que favorecia a venda. Num ato de inovação, foi instalada uma vitrine rolante. Ao abrir a vitrine era rolada para o espaço de uma porta aberta, e ao fechar, ela ia para o centro da loja. Nesse mesmo ano a empresa passou a utilizar muros e laterais de grandes prédios para sua divulgação.

Em 1931, o salão térreo do prédio da Sociedade União dos Caixeiros Viajantes (SUCV) foi desocupado pelo Banco do Rio Grande do Sul e Salvador, certo do sucesso que uma loja ali faria, insistiu para que Luiz Andrade alugasse a sala. Após as negociações, uma nova Casa Eny nascia e a loja da Avenida Rio Branco ficou sob a gerência de João Gabriel Isaia.

A partir de 1934 os ferroviários descobriram os preços atrativos da loja, muito melhores do que a Cooperativa lhes oferecia. Salvador afirmava que era lindo de ver nos últimos dias do mês, o chão da loja cheio de envelopes de pagamento dos ferroviários, que levavam calçados para toda família.

Em 1939 Luiz Andrade adoece, e resolve que é hora de vender o negócio. Salvador decide que é a pessoa preparada para dar continuidade aos negócios, e sendo vendida a loja ele se retiraria, abrindo um negócio próprio. Luiz Andrade aceitou negociar com Salvador e é surpreendido ao receber a melhor proposta de venda da loja, assim, o negócio foi fechado no ano seguinte.

Década de 40

 

Em 1940 a loja localizada na SUCV transfere-se para o recém-construído Edifício Cauduro, passando a chamar-se Loja Matriz. Com isso a Casa Eny ampliou seu estoque em torno do couro, passando a vender malas, cintos, bolsas de senhora e artigos de esportes. Nesse mesmo período muitas pessoas vinham de outras cidades para comprar na loja os calçados que revenderiam.

Em 1942, Carlo Isaia inicia seu trabalho nas Casas Eny como Caixeiro. Hoje ele é um dos diretores da empresa.

Em 1945 foi adquirida a Casa Suely, especializada em calçados femininos. Localizada na Avenida Rio Branco, nº 875 ela passa a ser chamada de Filial 2. Neste mesmo ano Salvador propõe a seu pai, José Isaia, a construção de um prédio onde estava a loja da esquina da Silva Jardim com a Avenida Rio Branco. É iniciada então a construção do Edifício Mauá.

No dia 07 de outubro de 1949 é realizado na SUCV um banquete em comemoração aos 25 anos das Casas Eny. Nesta data também foram distribuídos na loja do Edifício Cauduro calçados aos carentes, eram sandálias da marca Háki.

Década de 50

 

Em 1950 foi inaugurado o Edifício Mauá, primeiro arranha-céu de Santa Maria. Durante a festividade houve apresentação do grupo de acrobatas alemães Zuguspitzen-artisten, equilibrando-se em motocicletas sobre cabos de aço, entre o terraço e o prédio do antigo Piraju Hotel. No andar térreo passou a funcionar mais uma loja das Casas Eny. Para homenagear seu primeiro cliente, Salvador Isaia convidou a viúva de Etelvino Cardoso, a senhora Regina Dielh Cardoso para ser a primeira cliente a entrar na nova loja. Em 1951 é alterada a razão social para “Salvador Isaia & Irmãos Ltda”

A partir de 1961, Guido Cechella Isaia, filho de Salvador, passa a fazer parte da empresa como empregado do Departamento de Contabilidade. Hoje ele é Diretor Financeiro da empresa.

Década de 60

 

Em 1960 a empresa mantinha os seguintes membros na diretoria: Luiz Gonzaga, Antônio, Carlo, Guido, Salvador e João Gabriel Isaia.

Em 07 de setembro de 1961 Salvador inaugurou o Edifício da Galeria do Comércio, entre as ruas Dr. Bozano (hoje Calçadão Salvador Isaia) e Venâncio Aires.  Ali foi inaugurada a loja feminina, onde as mulheres passaram a contar com um espaço exclusivo, oferecendo as melhores marcas.

Em 20 de julho de 1962 a empresa altera sua razão social para “Casas Eny S.A. Comércio de Calçados”.

As festividades pela passagem dos 40 anos das Casas Eny em 1964 alcançaram âmbito nacional. Várias figuras do ramo calçadista vieram a Santa Maria trazer seus cumprimentos aos dirigentes da empresa.

O segmento infantil ganhou sua própria loja no ano de 1969, na Galeria do Comércio.

Década de 70

 

Em 21 de março de 1970 é inaugurada na Galeria do Comércio a loja Masculina. Assim a loja do Edifício Cauduro encerra suas atividades. Em 31 de março uma nova troca na Razão Social: “Casas Eny S.A. Comércio e Indústria de Calçados”.

Em 1971, Rafael Isaia, filho mais novo de Salvador, passa a fazer parte da empresa como responsável pelo departamento de pessoal. Hoje é o Diretor Administrativo da empresa.

Grandes comemorações marcaram os 50 anos das casas Eny, em 07 de outubro de 1974: Missa em Ação de Graças e intenção de Luiz Andrade na Catedral Diocesana; inauguração de placas de bronze; lançamento do livro “Uma loja, uma vida” de Edmundo Cardoso. Aos clientes que comprovaram que nasceram ou casaram-se em 07 de outubro de 1924 foram entregues brindes. Para os funcionários foi realizado um grande torneio, envolvendo futebol de salão, bocha, bolão e futebol de campo. Na parte da noite um grande jantar para 500 convidados foi servido no salão do Clube Comercial. Entre as presenças ilustres, estava o governador eleito Sinval Guazzelli. Ainda como parte das comemorações foi instalado no alto do Edifício Mauá um luminoso de 500 lâmpadas.

Em março de 1975, entra para empresa Eduardo Isaia, filho de Carlo Isaia. Hoje Eduardo é Diretor da empresa e comprador do segmento feminino e infantil. Em 07 de outubro foi inaugurado na loja Masculina o setor de malas e artefatos de Couro e departamento de Esportes.

Em 1976 a empresa altera sua razão social para “Casas Eny Comércio e Indústria de Calçados”.

Em 1979 foram inauguradas mais duas lojas: a loja Boutique e a loja Esportes, ambas localizadas no Calçadão Salvador Isaia.

Década de 80

 

Em 1º de maio de 1984 é criada a Sociedade Esportiva e Recreativa Casas Eny (SERCE), hoje SERE, com o objetivo de reunir e oportunizar a confraternização entre os funcionários. Seu primeiro presidente foi o funcionário Carlos Alberto Garcia. Em 08 de outubro deste ano foi inaugurada nas dependências do antigo Cine Imperial a loja Infanto-Juvenil.  Ainda em 1984, Salvador Isaia recebeu o título de “Destaque do Comércio”.

Em 1985 Salvador Isaia recebe o título de “Lojista do Ano” e em 1986 de “Comerciante do Ano”.

Década de 90

 

No dia 30 de março de 1992, aos 82 anos, falece Salvador Isaia.

Em 1994 é criada a Fundação Eny, que tem por objetivo investir na capacitação dos funcionários e visa contribuir com ações para a sociedade no ramo da cultura, esportes e educação.

Em 1996 é alterada a Razão Social para “Eny Comércio de Calçados” e também é lançado o primeiro site da empresa.

Em 25 de março é inaugurada a Eny Big Shopping Center, no Shopping Monet. Em 21 de novembro abre as portas a Eny Santa Cruz (que até 2002 teve o nome de Enisa).

Anos 2000 a 2009

 

É inaugurada a Eny Bourbon, em Porto Alegre e também a Eny Pro, no Shopping Monet.

Em 2002, atendendo uma demanda do mercado, a Eny passa a vender a prazo através do Cartão Eny.

Em 2003 é criado o Clube de Prêmios, um programa de recompensas exclusivas para os clientes do Cartão Eny.

Em 2004 são comemorados os 80 anos da empresa. Várias atividades marcaram a data: Exposição “Eny, 80 anos de história”; Missa de Ação de Graças na Catedral Diocesana com a participação do Coral Ricordi D’Italia; Promoção “Me amarro num zero”, que sorteou um Clio zero km e confraternização entre funcionários e familiares. Nesse ano a Direção da empresa foi homenageada pela Câmara de Vereadores.

Em outubro de 2005 é lançado o Cartão Credifácil Eny, o cartão que dá crédito na hora. No mês de dezembro é inaugurada a Loja Eny Ponta de Estoque, na Rua Astrogildo de Azevedo.
Mais duas lojas são inauguradas em 2006: Eny Shopping do Vale, em Cachoeirinha e Eny Assis Brasil, em Porto Alegre.

Em 2008 a Eny presenteia a cidade com a revitalização da fachada do prédio da Eny Infanto. O local onde funcionou o Cine Imperial foi construído no ano de 1935, no estilo art decó, e tinha como dono Reynaldo Weissheimer.  A obra de restauração foi coordenada pelos arquitetos Luiz Gonzaga Binato de Almeida e Guilherme Essvein de Almeida. À versão original foi acrescentado um elemento contemporâneo: a escultura “Uma janela através do passado”, do artista plástico Juan Amoretti, é uma moça espiando o calçadão por uma das janelas. Essa intervenção foi inspirada em construções europeias, onde obras de arte interferem na arquitetura original.

Em uma parceria com o Conselho Municipal de Cultura, com o objetivo de divulgar e valorizar os prédios históricos de Santa Maria, a Eny distribui sacolas aos clientes com as imagens do Theatro Treze de Maio, da Catedral Diocesana e do Cine Imperial.

Ainda em 2008 a Eny recebeu a certificação ISSO 9001, sendo a 1ª loja de calçados do Brasil a receber esta garantia de qualidade.

Em 2009 são comemorados os 85 anos da Eny. Foram realizadas: Missa de Ação de Graças na Catedral Diocesana, exposição “Eny, há 85 anos nos passos de Santa Maria”, Promoção “Eny 85 anos: a gente comemora, você fica com o presente” que sorteou 13 televisores de tela plana; Show com “Os Fagundes”; confraternização entre funcionários e familiares; lançamento do livro “Ao pé da letra”, apresentação da Orquestra Sinfônica de Santa Maria na Praça Saldanha Marinho, homenagem no Desfile Cívico de 07 de setembro.

2010 aos dias atuais

 

Em 2010 a Fundação Eny cria a Universidade Corporativa Eny (UCE), que busca promover o conhecimento e a qualificação entre seus funcionários. Em outubro são inauguradas duas lojas no Royal Plaza Shopping: a Eny Stadium e a Eny Calçados.

Em 2011 a Eny Calçados recebe a recertificação do ISO 9001, acompanhada de um reconhecimento à Universidade Corporativa Eny. É realizada a formatura da primeira turma da UCE, e também a 2ª edição do concurso “Ao pé da letra”, com lançamento de livro.
Buscando deixar seus clientes ainda mais informados no segmento de moda a Eny lança o blog “De par com a moda” que entrou no ar no dia 01 de agosto de 2011.

Em 2012 a Eny patrocinou o projeto cultural “Canção aos Pares”, que reuniu duplas de nomes consagrados da música. Foram seis espetáculos realizados no Theatro São Pedro em Porto Alegre. Nesse mesmo ano o escrito gaúcho Luis Fernando Veríssimo esteve na Eny Stadium para autografar seu livro “Em algum lugar do paraíso”, e no palco do Theatro Treze de Maio para o show “Jazz com brasilidade”.

Em dezembro foram lançadas as novas sacolas plásticas da Eny, assim como as novas sacolas presente, que traziam estampadas a obra de Mai Bavoso, artista plástico de São Paulo radicado em Novo Hamburgo.

No ano de 2013 foram implantados nas lojas terminais de autoatendimento, onde é possível realizar pagamentos, verificar pontos do clube de prêmios, consultar o saldo do Cartão Eny e do Cartão Presente. Neste mesmo ano a Escola de Samba Vila Brasil escolhe como homenageado Salvador Isaia. O desfile de 2013 foi cancelado, mas a homenagem é mantida em 2014, onde a escola consagrou-se campeã com o enredo “Na cauda do pavão um sonho de carnaval! Salvador Isaia uma inspiração”.

No ano em que completou 90 anos a Eny Calçados comemorou intensamente: Lançamento do livro “Entreolhares: reflexões fotográficas inéditas”; exposição de fotos “Entreolhares”; lançamento da 3ª edição do livro “Ao pé da letra”; Projeto “Sapatos Gigantes” onde enormes sapatos estilizados por diferentes instituições de Santa Maria foram expostos pela cidade; Projeto “Noites Gaúchas” que se apresentou em Santa Maria e região; 1º Encontro de Corais e no dia 07 de outubro um grande concerto da Orquestra Sinfônica de Santa Maria. Na promoção de natal foram sorteados três Fiat Uno. 2014 também marcou a abertura da primeira loja de autoatendimento da Eny: a Eny Flex, localizada na Rua do Acampamento.

Em 2015 foi concluída a reforma na Eny Masculina, que passou a ter um setor de autoatendimento no subsolo da loja. Também foi realizada neste ano a exposição fotográfica “Memórias Eny” e o lançamento do prêmio “Salvador Isaia”, que premiou as ações culturais realizadas por escolas de Santa Maria e Santa Cruz do Sul.